A construtora de plataformas petrolíferas de Cingapura Keppel Corp disse, na sexta-feira, que sua unidade Keppel FELS e sua parceira de joint venture J. Ray McDermott assinaram uma carta de intenções com a Petrobras e a Chevron...


Clipping - Contratos
FloaTEC participará da licitação para a P-61
13/10/2009
A construtora de plataformas petrolíferas de Cingapura Keppel Corp disse, na sexta-feira, que sua unidade Keppel FELS e sua parceira de joint venture J. Ray McDermott assinaram uma carta de intenções com a Petrobras e a Chevron para a construção de uma plataforma de petróleo no Brasil. "O contrato deve ser assinado em uma data posterior", disse a Keppel, em comunicado.

"A Keppel FELS e a J. Ray McDermott formaram uma joint venture separada, chamada FloaTEC, e participam da licitação para a construção da plataforma P-61, num contrato estimado em US$ 1,1 bilhão", especifica o comunicado. O porta-voz da Keppel disse que a assinatura da carta de intenções não significa que a FloaTEC tenha vencido a licitação, mas representa apenas uma manifestação de interesse da Petrobras em trabalhar com a FloaTEC uma vez que o projeto da P-61 tenha sido aprovado. A P-61 deve ser tornar a primeira Plataforma de Pernas Tensionadas (TLP, na sigla em inglês) instalada pela Petrobras em um campo de petróleo marítimo no País.

As plataformas integradas, que incluem equipamentos de perfuração e produção, são vistas pela estatal como uma forma importante de reduzir os custos de desenvolvimento - especialmente na região do pré-sal.

ESTALEIROS.

Um acordo está sendo alinhavado nos bastidores da indústria naval carioca para evitar que o estaleiro Mauá, o mais antigo do País, fique sem encomendas com sua participação suspensa nas licitações da Petrobras. A estatal tem uma comissão interna ainda avaliando o envolvimento do estaleiro Mauá com fraudes em licitações, detectadas pela Polícia Federal há três anos. Antes da conclusão da análise, porém, decidiu não convidar o estaleiro para a megalicitação que vai lançar na próxima semana para a construção de 28 sondas no Brasil.

Segundo uma fonte, diante das pressões do governo do estado para que o estaleiro não seja cortado, a Petrobras teria admitido não se contrapor às propostas apresentadas por outros grupos que tenham a intenção de subcontratar o Mauá. A ideia é que o Estaleiro Ilha S.A (Eisa) faça proposta para a construção de sondas subcontratando o Mauá, já que o Eisa pertence ao mesmo grupo societário, o Synergy Group, do empresário German Efromovich.

"É um ganha, ganha. A Petrobras não abre mão de deixar o Mauá de lado por conta da fraude confessa dos seus gerentes envolvidos na investigação da Polícia Federal. Mas também não fica mal com o governo local, justamente numa época em que está envolvida com outro acordo em que precisa do aval do estado", disse, citando a negociação que está em jogo para que a Petrobras arrende a área do antigo estaleiro Ishibrás, no Rio, para a construção de sondas e plataformas. Segundo esta fonte do setor, o Eisa assumiria todos os riscos envolvidos com a subcontratação do Mauá, isentando a Petrobras de qualquer envolvimento com suspeitas que ainda vierem a ser investigadas pela PF.

Uma possível vitória do Eisa na licitação das sondas também evitaria que houvesse uma demissão em massa no estaleiro, que até o final do ano conta com quatro mil funcionários atuando na plataforma da Petrobras que será destinada à Mexilhão, na Bacia de Santos. "Deste total, o Mauá poderá manter uns três mil funcionários para a construção de navios para a Transpetro e outras encomendas que possui extra-Petrobrás", disse a fonte.
Fonte:  Portal Naval  Link direto:  Clique aqui
Leia mais notícias sobre:  Contratos, Indústria naval
Voltar
  Últimas Datas
21/08/2014
20/08/2014
19/08/2014
18/08/2014
15/08/2014
14/08/2014
13/08/2014
12/08/2014
11/08/2014
08/08/2014
07/08/2014
06/08/2014
05/08/2014
04/08/2014
01/08/2014

Para localizar um Clipping específico, utilize o formulário abaixo:

Busca por assunto / Busca por data
Infront Informatização Empresarial